quarta-feira, 25 de abril de 2018

E essa história de Mike Portnoy no Rush?


Neil Peart definitivamente pendurou as baquetas e saiu de cena.

Porém, findados os trabalhos do Rush como Rush, os "remanescentes" Geddy Lee e Alex Lifeson já declararam que farão algo juntos, certamente com outro nome, mas também evidentemente com muita atmosfera "rushiana".

Quase que imediatamente a grande questão fora lançada: e quem assumiria o posto de baterista?

A última lebre levantada é o ex-baterista do Dream Theater e de mais 349 projetos, atualmente no Sons of Apollo, Mike Portnoy.

Sobre isso disse o próprio:

Não acho que eles irão tocar juntos novamente, e para mim o Rush será sempre apenas Geddy, Alex e Neil. Me perguntam muito sobre a possibilidade de eu tocar com Lee e Lifeson, e é claro que eu trabalharia com qualquer um deles. E sim, seria algo incrível. Eu nunca colaborei com nenhum dos dois antes. Neil e eu nos tornamos muito amigos ao longo dos anos, e esse é um relacionamento pelo qual sou muito grato. Também conheço Alex muito bem. Então, o que quero dizer é que, se acontecer, será incrível”.
E você, o que acharia dessa formação? Alguma outra sugestão?

terça-feira, 24 de abril de 2018

Jefferson Airplane: o dia em que Grace Slick tentou fazer o Presidente dos EUA viajar com LSD


O 37º presidente dos Estados Unidos nunca se viu frente a frente com a contracultura americana, é claro. Sua administração fora recheada de protestos, principalmente contra a escalada da Guerra do Vietnã.

E o plano de Slick, frontwomando da banda Jefferson Airplane, era, à sua maneira, uma tentativa de curar essa falha. Ela imaginou que, se Nixon experimentasse algum LSD de alto grau, ele poderia ver o mundo de uma maneira um pouco diferente. Então, talvez, ele repensasse sua postura, bem, tudo.

Ela também teve a oportunidade perfeita. Slick recebeu um convite para a Casa Branca da filha de Nixon, Tricia, em 24 de abril de 1970. Como o destino queria, Tricia Nixon e Slick eram ex-alunas do Finch College, há 10 anos. Tricia estava planejando um evento social para ex-alunos, e nessa lista estava Slick, usando seu nome de solteira, Grace Wing.

A princípio, ninguém no governo Nixon fez a conexão. Slick aceitou o convite e decidiu levar um amigo para a festa. Que amigo? O notório radical Abbie Hoffman.

"Eu presumi que elas estavam levando seus maridos, então pensei: 'Eu vou vestir Abbie.' Mas não há como vestir Abbie, colocamos um terno nele e colocamos o cabelo dele para trás e ele parecia um cara mafioso, eu tinha as botas e a minissaia, e todas essas outras mulheres estavam vestidas do jeito que as mulheres"bacanas" vestiam. com o pêlo de camelo e os alfinetes de ouro e um penteado de pajem, então nos destacamos imediatamente e os seguranças vieram logo em seguida e disseram:

'Desculpe, isso é apenas um convite.' Eu disse: 'Bem, eu tenho um convite!'

O plano de Slick, agora em sério risco, era casualmente deslizar o ácido para o chá da tarde do presidente. O momento, na verdade, não poderia ter sido melhor: o novo single de Jefferson Airplane, "Mexico", foi uma tirada irada contra a política antidrogas da administração.

"Eu estaria conversando com Richard Nixon, e teria o LSD na minha unha, e apenas gesticularia sobre sua xícara de chá", disse ela à CBS News em 2013. "Ele estaria falando sobre as paredes derretendo. Nós rimos só de pensar isto." Quando perguntada se ela estava falando sério, Slick respondeu: "Sim, eu estava!"

Slick e Hoffman, no entanto, eram os filhos-propaganda de tudo que fosse anti-Nixon. Não demorou muito para a segurança da Casa Branca os farejar. Um guarda prontamente informou a Slick que ela não podia entrar. "Ele estava certo", acrescenta Slick. "Ele não sabia por que, mas ele estava certo."

Por acaso, o plano dela de "ligar" Nixon teria sucumbido de qualquer maneira. O presidente não estava planejando comparecer ao evento de ex-alunos de sua filha.

Anos depois, Slick não pôde deixar de imaginar o que poderia ter acontecido.

"O LSD era novo na época", disse ela ao Wall Street Journal em 2011.

"Isso abriu nossas cabeças e nos deu uma nova visão do fato de que a realidade não é apenas uma coisa. Isso nos anima, mas também é apavorante não está no lugar certo. Então, em retrospectiva, a nossa defesa do LSD era meio perigosa".



VIA UCR

Assista Bruce Springsteen, Patti Smith e Michael Stipe cantando juntos


Bruce Springsteen , Patti Smith e o ex-líder do REM, Michael Stipe, compartilharam o palco juntos na noite passada durante o concerto de Smith em Nova York para marcar a estréia do documentário "Horses: Patti Smith and Her Band".

Smith e Springsteen cantaram “Because the night”, a canção que ambos gravaram em 1978, antes de Stipe se juntar a eles para o hino de 1988 “People Have the Power” no Beacon Theatre como parte do Tribeca Film Festival deste ano.

Você pode assistir os vídeos nos players abaixo: